0

Justiça do DF condena companhia aérea que impediu policiais de viajar armados

Aeronave da Passaredo Linhas Aéreas em pátio de aeroporto (Foto: Reprodução/EPTV).

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal determinou que dois agentes aposentados da Polícia Civil do DF sejam indenizados em R$ 8.058,88 pela companhia aérea Passaredo, que não permitiu que eles embarcassem com armas de fogo em 2015.

Os dois compraram passagens de ida de volta de Brasília para Araguaína, em Tocantins, e a proibição de viajar aconteceu no retorno.

Ao tribunal, eles disseram que estavam prestando serviço de “segurança particular” e que, por isso, precisavam estar armados. Segundo os policiais, mesmo cumprindo protocolo para embarque com porte de arma de fogo, não puderam entrar no avião.

Ele disseram à Justiça que tiveram que deixar o aeroporto de Araguaína e buscar um posto da Polícia Federal na cidade para conseguir a autorização, já que no aeroporto não há unidades de órgãos de segurança pública ou aeroportuária.

Fachada do Aeroporto de Araguaína, em Tocantins (Foto: Aeroporto de Araguaína/Divulgação).

O documento só foi emitido dez minutos antes da decolagem do avião e, por isso, os policiais perderam o voo. A defesa da companhia aérea disse ao tribunal que agiu em conformidade com a lei. O G1 entrou contato com a Passaredo, mas não obteve resposta até a publicação desta reportagem.

Ao contrário, a juíza substituta da 17ª Vara Cível de Brasília, Verônica Torres Suaiden, disse na sentença que não há dúvidas de que os dois chegaram ao aeroporto com antecedência e com os documentos que a legislação exige. A empresa, segundo a magistrada, não adotou “medidas hábeis ao embarque dos passageiros”.

A empresa foi condenada a pagar indenização por danos materiais de R$ 2.058,88, porque os agentes tiveram de comprar novas passagens aéreas para um voo que só sairia dois dias depois, alugar carro e ter despesas extras com alimentação e hospedagem.

A juíza também determinou o pagamento de mais R$ 6 mil por danos morais – metade para cada um – mais juros e correção monetária. A defesa dos policiais havia pedido R$ 30 mil.

A Passaredo recorreu da decisão inicial, mas a Justiça manteve a condenação por entender que houve “má prestação de serviço da empresa aérea, uma vez que mesmo após os autores terem obtido a autorização da Polícia Federal para embarcarem com as armas de fogo, a empresa aérea não permitiu o embarque, ainda com a aeronave em solo”.

Fonte: G1

Nenhum comentário

Agradecemos sua participação!

Aerojoaopessoa. Copyright © 2012 - 2016. Todos os direitos reservados. Tecnologia do Blogger.