15

Piloto denuncia aterrissagem irregular no aeródromo de Cajazeiras


O piloto cajazeirense de helicópteros Fábio Dantas, utilizou as redes sociais para levantar mais uma polêmica em relação o aeródromo regional de Cajazeiras.

Fábio, que foi o primeiro a chamar a atenção que o equipamento de voo não estava habilitado para receber aviões de médio e grande porte, denunciou a aterrissagem na última quarta feira (16) de um jatinho pertencente à empresa ENERGISA, o que segundo ele, é proibido diante a qualificação do aeródromo que é SJZA.


O piloto lembrou que a pista tem restrições para operações de aeronaves do tipo jato e que tanto o comandante como a empresa transgrediram as normas de tráfego aéreo determinadas pela ANAC. Fábio ainda lembrou que o problema não é tanto a pista, mas a performance desse tipo de avião, citando pouso, decolagem, área livre de arremetida e até o fato do morro do Cristo Rei está na mesma rota, argumentou.


RESTRIÇÃO

Ele também cobrou do DER (Departamento de Estradas e Rodagens) e das autoridades responsáveis fiscalização nesses tipos de operações.

Fonte: Blogdofurao

15 comentários:

  1. Matéria gentilmente enviada pelo leitor do AEROJOAOPESSOA, Fábio Dantas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A onde estão as pessoas que diziam que o aeroporto de Cajazeiras só baixava avião de pequeno porte ?.

      Excluir
  2. Pelo jeito, Cajazeiras será o festival de transgressões. Não irão respeitar a proibição de operações de jatos, bem como, as empresas que pretendem voar linha regular com turboélices de 46 passageiros irão pousar e decolar com peso bem superior a frágil resistência do asfalto de somente 12 toneladas (PCN 06). Fico pensando, como voar para Cajazeiras limitado a 30 passageiros + combustível da etapa + autonomia de 00:45 minutos + alternativa e o recíproco para o retorno e ou próxima etapa sem ultrapassar a resistência da pista? Como? Com todo esse combustível e passageiros, a aeronave sempre estará mais pesada. A falecida empresa NOAR foi a campeã do desrespeito as regras aéreas e normas de segurança do modal. E aconteceu o que aconteceu! Não poderia ser diferente. Saudações e Bons Voos respeitando a segurança de operação e a vida, essa sem preço.

    ResponderExcluir
  3. Não tem cabimento, o piloto realmente não conhece o aeroporto de Cajazeiras, o morro do Cristo não fica próximo a pista do aeroporto regional de Cajazeiras, fica pelo menos a uns oito (8) km da pista e sem falar que este morro e muito baixo não deve ter nem 50 metros de altura, porque ele não denuncia o aeroporto do Rio Santos Dumont que tem pista de 1.323 metros foi construído praticamente dentro do mar e esse sim tem grandes montanhas ao seu redor, o aeroporto de Congonhas esta praticamente dentro de São Paulo e ao seu redor verdadeiros prédios arranhas céus e o mesmo sua pista e muito curta menor que a de Cajazeiras que tem 1.600 metros. portanto não tem cabimento essa afirmação desse piloto.

    ResponderExcluir
  4. Respeito o posicionamento do piloto Fabio Dantas, mas não concordo com a firmação dele o morro do cristo que na verdade fica a uns 9 km da cabeceira da pista desse aeroporto, sem falar foi feita uma consultoria com a empresa do ITA (Instituto Tecnológico da Aeronáutica) a pedido da CDL de Cajazeiras, em nenhum momento eles falam de aproximação do aeroporto de Cajazeiras com o murro do Cristo Rei.

    ResponderExcluir
  5. E sobre a proibição de jato, não vi vocês comentarem sobre isso?

    Estranho citar Congonhas e Santos Dumont e não citar um dado técnico básico chamado PCN que quebra qualquer comparação (sem citar tantos outros dados técnicos).

    Sobre o ITA, vamos lembrar que até então, todas de Cajazeiras acreditavam nas mentiras ditas por políticos.

    Só depois que o ITA mostrou argumentos técnicos, é que alguns, infelizmente só alguns, acreditaram no que o piloto Fábio Dantas já falava há muito tempo.

    ResponderExcluir
  6. Jarbas a questão do pcn do aeroporto de Cajazeiras não sou engenheiro mas acredito eu que tem solução fazendo uma manutenção, aqui em Belém do Pará e Também em Macapá que que têm aeroporto com pistas bastante antigas de vez enquanto passa por reformas, acredito eu que ai na Paraiba o governo do estado tem capacidade de melhorar a performance desta pista, eu sou economista acho que esse aeroporto de Cajazeiras poderá impulsionar a economia do alto sertão paraibano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sou Engenheiro Civil e te digo uma coisa: se fosse tão simples, já teriam feito. Requer estudos, projetos e uma execução cuidadosa, para melhorar a pista, visto que será uma intervenção em pista relativamente nova.

      Serviços de manutenção servem pra manter o mais próximo possível ao nível do que foi construído. No caso da pista de Cajazeiras, manter o nível é permanecer em PCN 6, ou seja, requer intervenção profunda, nova obra.

      Excluir
    2. Gastaram mais de cinco Milhões em uma obra sem serventia para o alto sertão e Cajazeiras, esse dinheiro todo só na pista, se o governo da Paraíba tivesse visão de Futuro ou soubesse fazer planejamento não faria um campo de pouso de avião monomotor ou seja os famosos teco-teco, desta forma acabam todas as esperanças dos Cajazeirenses em ter voos comercial e assim impulsionar a economia de Cajazeiras e todo alto sertão. o que o amigo esta falando e é conhecedor desta deste assunto a atual pista do aeroporto de Cajazeiras teria que implodir ela e construir outra com as especificação moderna e PCN com especificação para receber aeronaves de grande porte. o mais interessante e que o responsável pelos aeroportos da Paraíba e até mesmo o governo faltou com a verdade ou então se mostraram não conhecer esse assunto em falar que esse aeroporto tinha capacidade de receber jatos e aviões de grande porte, o coronel que é o responsável pelos aeroportos falou na TV diário falou que para o aeroporto receber aeronaves de grande porte e jatos bastaria recuar o cerca do aeroporto e a implantação balizamento noturno. Isso mostra uma verdadeira de falta de compromisso dos políticos com o povo do alto sertão mais precisamente com o povo de Cajazeiras. É POR ISSO QUE O BRASIL NÃO VAI PARA FRENTE.

      Excluir
  7. Acho interessante essa discussão, só assim o povo passa a se inteirar melhor sobre os problemas que cercam o aeródromo de Cajazeiras - SJZA.

    1º Não é o piloto Fabio Dantas que está proibindo operações de aeronaves a jato no referido aeródromo, quem proibiu e restringiu a operação desse tipo de aeronave foi o DECEA ( Órgão da Força Aérea Brasileira responsável pela elaboração das cartas aeronáuticas bem como dos requisitos mínimos para operações seguras em aeródromos,

    2º Eu não falei que a proibição se dá por causa do morro do Cristo Redentor, o que ocorre é que fui indagado sobre qual seria o motivo da proibição de aeronaves de performance a jato, eu esclareci que são vários os fatores responsáveis por tal restrição ou proibição (principalmente na área de aproximação de pouso ou decolagem) como: obstáculos próximos ao eixo da pista, morros, torres de rádios comerciais, torre de rádio da PRF, torres de linha de transmissão.

    3º Por que essa proibição somente para aeronaves de performance a jato ? Hora, aeronaves de performance a jato pousa e decola com velocidades superiores à aeronaves de performance à combustão convencional (hélice) portanto, as aeronaves convencionais (hélice) de baixa velocidade têm muito mais condições de desviar de obstáculos.

    5º A proibição de operação de aeronaves à jato, pode não estar ligada a obstáculos mas sim pela falta de auxilio visual de precisão para aeronaves a jato poder pousar em segurança.

    6º Auxilio visual de precisão - PAPI (Precision Approach Path Indicator, em português Indicador de Percurso de Aproximação de Precisão), é um sistema de ajudas visuais à navegação aérea, constituído por aparelhos de iluminação com focos calibrados, instalados geralmente ao lado esquerdo da pista, podendo entretanto por motivos físicos ser instalado do lado direito, também é muito comum estar dos dois lados, que têm por objectivo informar os pilotos sobre a altitude correcta, ou precisa, em que se encontra o avião, quando este faz a aproximação à pista, para aterrissar. ( aeronaves de performance a jato necessitam muito mais do PAPI devido sua alta velocidade )

    7º Consta no ROTAER, proibição de operações de aeronaves de performance a jato no aeródromo de Cajazeiras devido riscos de acidentes aéreos por isso o pessoal do DECEA- FAB (engenheiros / topógrafos) restringiram tais operações.

    8º Quem quiser pode consultar o ROTAER (manual de rotas aeronáuticas obrigatório para consulta pelos comandantes de aeronaves. O ROTAER é de acesso livre, basta baixar o PDF em:

    http://www.aisweb.aer.mil.br/?i=publicacoes

    9º Prometi ao jornalista responsável pela matéria que, irei buscar informações precisas a respeito dos reais motivos da referida proibição para que todos tomem conhecimento.

    10º Se alguém quiser obter maiores informações a respeito, coloco-me à disposição para esclarecimentos: cmtedantas@bol.com.br

    11º Minha intenção é verdadeiramente informar a população sobre as reais condições do aeródromo de Cajazeiras - SJZA para que as autoridades competentes tomem medidas sérias no sentido de adequar o aeródromo para operações seguras a fim de se evitar tragédias.

    Aviação é coisa séria !

    ResponderExcluir
  8. Li o relatório de engenheiros (que são de uma empresa privada, que podem ter se formado no ITA, ou seja, não são do ITA... creio que me fiz entender). Fizeram um belo levantamento de fatores econômicos, de transporte, sociais, etc..., mas quando chegar na parte técnica da engenharia civil mesmo, ele elenca fatores que devem ser verificados e/ou consultados, entre eles coloca o PCI.

    Eu, como Engenheiro Civil, também sei que deve ser feito um análise das camadas do pavimento (leito, base,sub-base, revestimento,etc...), através de sondagens, já consagradas na área técnica. Então, fiquei sem entender mesmo o proposito do relatório.

    Não fez nenhum menção de técnicas que poderiam ser feitas para aumentar o PCN da pista, como reforços em camadas de base ou sub-base de toda a pista, reconstrução do revestimento, etc... Não precisaria afirmar qual seria a correta, pois precisa dos dados das sondagens (e outros estudos), para dar certeza qual método seria o correto, mas pelo menos listar as possibilidades, para as pessoas terem a dimensão do que está sendo falado, sobre uma pista de PCN 6.

    O estudo falou que não é possível a operação de um ATR 42 full (ou seja, número de passageiros e carga máximo). Com base nisso, vou além agora:

    - Gol, Latam e Avianca só operam com jatos, ou seja, não conseguem operar em Cajazeiras com as características atuais;

    - A Azul opera com Embraer (190 e 195) e ATR 72 na aviação regional, ou seja,aeronaves ainda maiores que o ATR 42.

    E pra encerrar,o relatório foi contratado por sociedade civil organizada, sindicatos, associações, etc... não há ente público nisso, ou seja, quem deveria melhorar as condições da pista (Governo do Estado), não fez parte.

    Infelizmente, muitos ainda estão levando o debate da pista de cajazeiras para o lado político... e dessa forma o aeroporto ficará do mesmo jeito pra frente. E depois alguém ainda vai dizer que lá não tem voo, por culpa das companhias aéreas que não querem.

    ResponderExcluir
  9. O DER da Paraíba esta divulgando na imprensa que o aeroporto de Cajazeiras já pode funcionar em voos noturno e que o PCN da pista sera reclassificada e terá capacidade de receber aeronaves com capacidade ate 100 passageiro, como se trata de notícia do DER eu não acredito gostaria o que vocês acham desta notícias será verdadeira ou apenas politicagem barata.

    ResponderExcluir
  10. Infelizmente é isso..não existe interesse para se resolver a problemática da pista.
    E o DER insiste em uma coisa que na prática o que a ANAC fala e libera é outra.
    E o governo que é o responsável pela manutenção dos aeródromos do estado n mostra preocupação com a interligação do sertão por meio de linhas aéreas comerciais.
    Cajazeiras é uma cidade Universitária e a região nesecita desse aparelho.

    ResponderExcluir
  11. Infelizmente é isso..não existe interesse para se resolver a problemática da pista.
    E o DER insiste em uma coisa que na prática o que a ANAC fala e libera é outra.
    E o governo que é o responsável pela manutenção dos aeródromos do estado n mostra preocupação com a interligação do sertão por meio de linhas aéreas comerciais.
    Cajazeiras é uma cidade Universitária e a região nesecita desse aparelho.

    ResponderExcluir
  12. ANAC CONFIRMA QUE AEROPORTO DE CAJAZEIRAS PODE RECEBER AVIÕES DE GRANDE PORTE.
    Na semana passada, o Turismo em Foco publicou uma reportagem sobre o índice de resistência do Aeroporto Cajazeiras/Pedro Vieira Moreira, na Paraíba, que permitiria então o pouso de aeronaves de médio e até grande porte, entre eles, o modelo ATR 72, com capacidade de 74 passageiros.
    A informação foi questionada nas redes sociais, inclusive, questionando que a pista do aeroporto não teria esse índice para suportar o peso dos equipamentos citados. Houve ainda surpresa por conta da rapidez de como teria sido feito o processo de requalificação do índice pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil).
    A reportagem, para tirar qualquer dúvida dos leitores, encaminhou solicitação de informações da Anac e, nesta segunda-feira (30), ela confirmou as afirmativas do material veiculado pelo Turismo em Foco, isto é, “as aeronaves ATR72 e ATR42, por exemplo, podem operar neste aeroporto, visto que o ACN delas corresponde a respectivamente 14 e 11 para a carga máxima de decolagem, logo, menor que 26 (o máximo permitido para PCN).”
    De acordo com a Anac, o “Número de Classificação de Pavimentos (PCN) significa o número que expressa a capacidade de suporte de um pavimento para operações sem restrição. Para o caso do aeroporto de Cajazeiras é 26/F/B/X/T. O Número de Classificação de Aeronaves (ACN) significa o número que expressa o efeito relativo de uma aeronave sobre um pavimento para uma categoria padrão de subleito especificada. O ACN depende da aeronave.”
    Ainda de acordo com a Anac, o operador aeroportuário do aeroporto de Cajazeiras solicitou à Agência a alteração de resistência de pavimento da pista do aeródromo, tornado assim possível a operação de aeronaves, considerando a resistência do pavimento, que possuem ACN menor ou igual ao PCN desta pista (ou seja, menor ou igual do que 26). Portanto aeronaves como por exemplo ATR 72 e ATR 42 se tornou aviãozinho, dependo da pista do aeroporto de Cajazeiras já podemos sonhar em um Airbus 320 de 200 Passageiros ou até mesmo um avião da Embraer 195 que tem capacidade para 120 passageiros.

    ResponderExcluir

Agradecemos sua participação!

Aerojoaopessoa. Copyright © 2012 - 2016. Todos os direitos reservados. Tecnologia do Blogger.