0

Para enfrentar rival europeia, Boeing negocia associação com a Embraer


A fabricante americana de aviões Boeing está negociando uma parceria com a rival brasileira Embraer que pode envolver a compra de parte da empresa de São José dos Campos.

O jornal "The Wall Street Journal" noticiou que os americanos têm interesse em adquirir o controle da empresa brasileira, mas a Folha apurou que isso não foi cogitado nas poucas reuniões que já ocorreram sobre o assunto.

Além disso, o governo brasileiro é contra tal movimento e tem poder para vetá-lo: desde que a empresa foi privatizada em 1994, a União detém uma "golden share" (ação preferencial) que lhe dá voz ativa em qualquer decisão estratégica.

Procurado, o Ministério da Defesa disse que não iria comentar o caso. A Embraer, que tem valor de mercado estimado em US$ 3,7 bilhões, divulgou um fato relevante ao mercado confirmando a negociação, mas sem dar detalhes e dizendo que tanto a empresa brasileira quanto a americana não fariam comentários neste momento sobre a natureza das conversas.

Em comunicado conjunto, a Embraer afirmou que as duas companhias "encontram-se em tratativas em relação a uma potencial combinação de seus negócios, em bases que ainda estão sendo discutidas".

A notícia caiu como uma bomba no mercado. Na Bolsa brasileira, as ações da Embraer chegaram a subir quase 40% ao longo do dia, mas fecharam com alta de 25,5%, cotada a R$ 20,71.

A intenção dos americanos é dar uma resposta estratégica à associação estabelecida entre a rival europeia Airbus e a fabricante canadense Bombardier.

Em outubro, a Airbus anunciou que compraria o controle do programa de jatos regionais CSeries, da Bombardier, que custou US$ 6 bilhões para ser desenvolvido. A fabricante canadense é rival da Embraer no segmento, mas ficou para trás em participação de mercado nos últimos anos.

Com o movimento, os europeus colocaram um pé no nicho de jatos na faixa de 70 a 130 passageiros, segmento dominado pela Embraer. A brasileira colocou todas suas fichas no programa EJets-2, a segunda geração dos seus aviões deste porte. Airbus e Boeing seguem disputando palmo a palmo o mercado de aviões maiores.

Segundo a Folha apurou, a negociação por ora está centrada exatamente nesta linha. Não está claro como seria a participação da Boeing, se por meio de injeção de capital ou de criação de uma joint-venture. As linhas de defesa e de aviação executiva da Embraer permaneceriam totalmente nacionais, pelas conversas iniciais.

Hoje, os principais acionistas da Embraer são a Brandes Investments Partners (15,03%), BNDESPar (5,37%) e Oppenheimer Funds (4,8%). Outros somam 73,86% e 0,94% é de ação em tesouraria.

Um eventual acerto pode potencializar a posição da Embraer no mercado americano, e não só civil. A Boeing já é a responsável pelo marketing internacional do novo modelo da brasileira, o avião de transporte tático e reabastecimento aéreo KC-390, o maior já feito no país.

Além disso, a Embraer está disputando uma pré-concorrência para o fornecimento de até 120 aviões de ataque leve à Força Aérea Americana com o Super Tucano —até aqui, os EUA compraram 26 aeronaves do tipo para uso no Afeganistão por forças locais.

A Embraer teve uma receita liquida de R$ 21,436 bilhões em 2016. No terceiro trimestre deste ano, registrou lucro líquido de R$ 351 milhões, revertendo o prejuízo de R$ 111,4 milhões do mesmo período do ano passado.

Fonte: Folha de S. Paulo

Nenhum comentário

Agradecemos sua participação!

Aerojoaopessoa. Copyright © 2012 - 2016. Todos os direitos reservados. Tecnologia do Blogger.