1

Anac certifica aeronave comercial da Embraer para operar voos

Evento na Embraer contou com a presença do CEO presidente Paulo César de Souza e Silva (Foto: Camilla Motta/G1).

O jato E190-E2, da fabricante de aeronaves Embraer, recebeu da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) certificação e vai poder entrar em operação pelas companhias em voos comerciais.

Um evento em São José dos Campos, sede da companhia, celebrou a certificação na tarde desta quarta-feira (28).

A família de jatos E2 foi apresentada pela empresa em fevereiro de 2016 e o E190-E2 é uma aposta da fabricante para se manter líder no segmento de aviação regional. A companhia informou que tem 74 unidades vendidas do jato e 97 pedidos firmes (reservas).

Além da Anac, a aeronave também foi certificada por agências internacionais como a Federal Administration Aviation (FAA) e pela Agência Europeia para Segurança da Aviação.

Antes da cerificação, a aeronaves passou por uma bateria de testes. Foram utilizados quatro protótipos no trabalho, segundo a Embraer. A primeira decolagem do modelo foi em maio de 2016. Foram aproximadamente 45 mil horas de testes.

Anac certifica aeronave comercial da Embraer para operar voos.

"Vamos ter uma presença global ainda maior, vamos aumentar nossa participação no mercado. Tendência é de aumentar o mercado, aumentar nossa participação no mercado de até 150 assentos", disse o CEO presidente da Embraer, Paulo César Souza e Silva.

O primeiro jato E190-E2 deve entrar em operação no próximo mês de abril, pela companhia norueguesa Wideroe.

O modelo, com pintura estilizada com 'cara de tigre', também foi levado para Embraer a um dos maiores salões aeronáutica do mundo, o Airshow, que neste ano ocorreu em Singapura.

Família E2

O E190-E2 promete economia de custos até 18% em relação ao modelo anterior.

A família E2 é composta por três modelos com capacidades entre 70 e 150 passageiros.

Boeing

O evento de certificação em meio às negociações entre a Embraer e a americana Boeing por uma fusão. O CEO descarta que a troca do ministro Raul Jungmann do Ministério da Defesa para Segurança Nacional atrase as negociações. Jungmann estava a frente da negociação, que depende de aprovação do governo. A pasta da Defesa vai ser coordenada por um militar.

"Não temos nada ainda [com a Boeing], as conversas continuam, é operação complexa, interessante para as duas empresas e que vai tornar a Embraer maior, com mais empregos e exportações, mas é necessário achar estrutura que dê conforto que o governo precisa, principalmente na área da defesa", disse.

Fonte: G1

Um comentário:

  1. Matéria gentilmente enviada pelo leitor do AEROJOAOPESSOA, André Azevedo.

    ResponderExcluir

Agradecemos sua participação!

Aerojoaopessoa. Copyright © 2012 - 2016. Todos os direitos reservados. Tecnologia do Blogger.